Estamos na primeira semana do mês de abril, em breve teremos a Páscoa. Para os ocidentais, essa é uma data importante, tanto como o Natal.

Por ser uma data tão especial, conservamos o costume em presentear amigos e familiares com ovos de chocolate. Por isso, essa é também, uma das datas mais esperadas pelos comerciantes.

Milhares de ovos de chocolate são comercializados nesta época, além deles peixes, azeites, vinhos, até mesmo batata, tomate e cebola têm sua venda ampliada nessa época do ano.

Mas você sabe como funciona os bastidores da logística dos ovos de chocolate?

Vem comigo que eu te conto!

 

SAGA DO COELHINHO

Passar pelos corredores, dos supermercados ou de lojas de doces, forrados de ovos de chocolate é uma alegria para os chocólatras de plantão. São inúmeras opções, cores e tamanhos, mas você já parou pra pensar como foi que eles chegaram ali?

Com certeza não foi o coelhinho da Páscoa quem trouxe!

(não fique triste!)

O transporte de um produto tão delicado requer planejamento detalhado, afinal o caminho é longo até os ovos de chocolate chegarem inteiros nas prateleiras.

Adotar a tecnologia 4.0 é primordial para automatizar processos, aperfeiçoando e agilizando a distribuição e armazenagem.

Considerando o clima tropical do Brasil e a fragilidade do produto a ser transportado, todo o cuidado é essencial para evitar prejuízos.

Transportar em veículos com temperatura controlada, acondicionar os produtos em armazéns refrigerados, agilizar o recebimento e conferência, são procedimentos que se executados com planejamento e integração de todos os elos da cadeia de suprimentos, garantirá a satisfação do consumidor final.

Logística dos ovos de chocolate

 

 

PONTO DE PARTIDA

Podemos dizer, que a primeira etapa do processo logístico inicia com o fabricante.  

O processo parece simples, mas se não for bem orquestrado impactará negativamente na operação logística gerando prejuízos.

A aquisição dos insumos, é ponto inicial. Garantir a matéria-prima necessária para a fabricação dos ovos de Páscoa junto aos fornecedores, com antecedência, garante que a tudo saia de acordo com o planejado.

 

Antecedência é a palavra mágica para esse período sazonal, em que é difícil prever com precisão o quanto deverá ser produzido para gerar mais lucro do que despesa.

Por isso, assegurar que os ingredientes necessários para a fabricação dos chocolates estejam disponíveis junto aos fornecedores é o primeiro passo.

Após a fabricação, os ovos de chocolate são embalados e os pedidos são separados de acordo com a programação e enviado para os distribuidores.

 

LOGÍSTICA:  PARTE I

Para manter a integridade dos chocolates durante o percurso até chegar ao CD é necessário selecionar transportadoras que ofereçam veículos apropriados para esse tipo de carga, ou seja, refrigerados.

Por sua vez, as transportadoras, devem dar uma atenção especial na manutenção dos veículos, pois qualquer falha na refrigeração o prejuízo financeiro é certo.  

 

Levando em conta, a fragilidade da mercadoria e o seu formato, os ovos não podem ser empilhados, isto exige maior espaço para a estocagem, tanto no transporte quanto na armazenagem no CD.

Mercadoria recebida, agora o próximo passo é agilizar a operação de descarga, conferência e armazenamento do produto.

 


LOGÍSTICA PARTE II

Do mesmo modo que os veículos que fazem o transporte deve ser refrigerado, os centros de distribuição que receberão essa mercadoria também devem ser.

No armazém, os pallets são normalmente empilhados lado a lado, tendo em vista a fragilidade da mercadoria, o que demanda maior espaço físico para armazenagem.

A distribuição dos chocolates direto nos pontos de venda, é feita com antecedência, mas deve ser levado em conta que nós brasileiros temos a fama de deixar tudo para a última hora.

 

E esse comportamento impacta diretamente na logística de abastecimento dos pontos de vendas. O que acaba exigindo das transportadoras maior flexibilidade para dar conta de toda distribuição.

 

Ufaa!

Mas calma, ainda não acabou!

 

FASE FINAL! (FORÇA COELHINHO)

Passado o alvoroço que antecipa a Páscoa, engana-se quem pensa que o trabalho encerra-se aqui. Agora, entra em cena a logística reversa.

Momento de liquidar, muitas vezes a preço de custo, tudo o que não foi vendido e o restante é devolvido para o fabricante.

A sazonalidade desta data somado a flutuação da demanda corrobora no processo de logística reversa, é uma situação que já é prevista pelos fabricantes.

O que minimiza essa situação é o planejamento detalhado da operação logística, que como podemos observar não é nada simplificado.

 

As expectativas são grandes, mas a recompensa também é.

Feliz Páscoa!