O termo last-mile, está atrelado a última etapa de distribuição da mercadoria ao consumidor final, é disso que iremos abordar nesse post. Mas é importante informar, que antes do último estágio de distribuição, existem outras duas fases: first-mile e middle-mile.

Ambas são responsáveis pelo transporte intercontinental. A diferença está nos modais que estão envolvidas. O first-mile, primeira milha, abrange os centros de distribuição em outros países e é comumente feito de forma marítima.

Já o middle-mile, é a etapa que ocorre a transferência das mercadorias do centro de transbordo para o centro distribuição. Aqui é feito o cross-docking e o trasporte normalmente é aéreo ou rodoviário.

A etapa final, last-mile, ocorre quando a mercadoria é entregue diretamente ao consumidor.

Você sabe como economizar no last-mile da sua operação?

Continue lendo o post, separamos #4DICAS para reduzir os custos nesse estágio final de distribuição/entrega!

Boa leitura 🙂

 

DICA #1: ARMAZENAGEM

Adotar algumas práticas que otimizem o processo de armazenagem controlando a rotina, é fundamental para evitar gastos e aumentando a rotatividade da mercadoria estocada.

Esse processo, está ligado a agilidade. Esta palavra cada dia mais, está sendo cultivada. E não poderia ser diferente para o transporte last-mile.

Readequar o seu centro de distribuição de forma que preencha as lacunas entre produção e o abastecimento, é possível, e isso automatiza processos.

Outra forma é ter acesso em tempo real a mercadoria no estoque, agiliza o processo de envio para o consumidor final e como resultado, aumenta a precisão da demanda com maior controle nas necessidades e maior retorno sobre o investimento (ROI).

 

#DICA1: Armazenagem

 

DICA #2: LOGÍSTICA COMPARTILHADA

O intuito dessa ideia é o compartilhar operacionalmente alguns processos que envolvem a logística. Uma colaboração entre parceiros que dividem interesses em comum. Otimizando assim, o processo logístico trazendo mais economia para a operação.

O compartilhamento logístico, possui um leque de possibilidades e benefícios bastante diversificado. Pode ser aplicado na contratação de transporte, funciona como um Uber logístico. A empresa pode contratar uma frota para enviar a sua mercadoria ou então uma pessoa que faça o trajeto em comum.

O mesmo pode ser aplicado na gestão de armazéns. Operadores logísticos que controlem a rotina das centrais de distribuição, sendo responsável no recebimento, armazenagem e separação dos pedidos. Esse processo ajuda a reduzir custos evitando também galpões com espaço vazio  e ociosidade dos times quando não há muita demanda.

Os benefícios dessa prática são muitos, além e reduzir os custos, fortalece a cadeia de suprimentos, aumenta a oferta de trabalho, utiliza a logística de forma inteligente e sustentável.

 

#DICA2: Logística compartilhada

 

DICA #3: ESTRUTURA DE DISTRIBUIÇÃO

De forma figurada, podemos comparar essa operação com a teia de uma aranha. Uma estrutura organizada, que possui vários pontos de conexão que são utilizadas para a locomoção.

A estrutura de distribuição funciona basicamente nesse mesmo formato. Empresas que possuem diferentes pontos de armazenagens, formam uma teia organizacional que permite o encurtamento da distância, otimizando a distribuição da mercadoria ao consumidor final.

Ou então, utilizar esse mesmo sistema para o cliente retirar o produto diretamente no centro de distribuição. Uma inversão que dá certo. Desta forma, regiões cujo o índice de roubo a carga acontece com maior frequência, é uma opção viável contribuindo (e muito) para redução dos custos. 

 

#DICA3: Estrutura de distribuição

 

DICA #4: INVESTIR EM TECNOLOGIA

Transportar mercadoria no Brasil não é uma tarefa simples. Os desafios são muitos: rodovias mal conservadas, risco de assalto, tributação alta e muita burocracia.

Levando em consideração esse cenário, fazer simples cálculo de frete se torna uma tarefa complicada, ainda mais se for feita de forma manual, pois são muitas variáveis a serem consideradas.

Portanto, obter um software que gerencie todo esse processo é uma “mão na roda” para o dia a dia do transportador. Além de diminuir a margem de erro, agiliza todo o processo e ainda é possível, através de comunicação integrada obter todos os dados necessários para calcular de forma eficaz e com pouca margem de erro o valor do frete.

Nós da Brudam, trabalhamos com o desenvolvimento de software que permite gerenciar todo o processo burocrático que envolve o transporte de mercadorias nos modais aéreos e rodoviários de uma empresa. Sabemos que o cálculo do frete é a ponta do iceberg, apenas um exemplo do que é enfrentado diariamente por muitos empresas que transportam mercadorias.

O que oferecemos é facilidade e o controle total da operação. Disponível a qualquer momento, nossa ferramenta é 100% web.  Contamos com uma estrutura completa para dar todo o suporte necessário para sua empresa. Oferecemos um produto para cada empresa, focando na sua necessidade, seja pequena, média ou grande. Conseguimos ser a catapulta para quem está começando e ao mesmo tempo somos totalmente elásticos nas necessidades de uma empresa maior. 

 

 

E aí, gostou?

Sua empresa se encaixa em qual fase do processo de distribuição: first-mile, middle-mile ou last-mile?

Das #4DICAS qual sua empresa utiliza mais?

Conta pra gente o que achou desse conteúdo, adoramos sua participação.

Se sua empresa já utiliza software Brudam poste uma foto na sua rede com a hashtag #SOUbrudam, mostrando seu time operando nosso sistema!

Até a próxima!