Estamos num país em que os números são alarmantes no que se refere a roubo de cargas. E para evitar prejuízos, não só materiais e financeiros, mas também pessoais é necessário estar preparado.

Você sabe como economizar no seguro da sua carga?

Confira as estratégias que preparamos para você otimizar a segurança da sua carga economizando uma grana!

Boa leitura 🙂

Segundo a Firjan, o impacto econômico no roubo de cargas entre 2011 à 2016 foram superiores a R$ 6,1 bilhões. A situação não é nada animadora, numa lista de 57 países o Brasil está na oitava posição como mais perigoso no transporte de cargas. No topo dessa lista estão as nações que estão em guerra como: Síria, Yemen, Líbia, Afeganistão.

Por isso, contratar uma seguradora é fundamental para que sua mercadoria esteja protegida.

Nós da Brudam temos parceria com seguradoras e rastreadores veiculares, pois entendemos a importância desses serviços para nossos clientes.

De forma integrada trabalhamos com a Porto Seguro, ELT Engenharia, AT&M e Senig, como seguradoras. E Omnilink, Autotrac e Sascar como rastreadores veiculares.

Afinal, custos para o seguro de transportes, seja em território nacional ou internacional, o risco x custo é um fator impactante.

Sem mais delongas vamos as #7DICAS para economizar no seguro da sua carga.

DICA #1  – MANTENHA SUA APÓLICE ATUALIZADA

No Brasil há regiões com maior/menor índice de roubo a carga, com o passar do tempo esses índices tendem a alterar.

Fique atento a validade do seu contrato e reavalie a necessidade de cobertura em regiões que estatisticamente o índice de roubos de carga diminuíram.

Consequentemente o risco da seguradora diminuirá e também, os valores da sua apólice.

O mesmo acontece com a carga transportada,  algumas são mais visadas que outras.

Em R$ milhões, dados de 2011, no estado de São Paulo

 

Caso você não transporte esse tipo de mercadoria, revise a taxa junto com o seu corretor.

 

DICA #2  – OPTE POR SERVIÇO DE MONITORAMENTO DE VEÍCULOS

Utilizar rastreamento de cargas, permite não só o monitoramento real da mercadoria, oferecendo total controle sobre sua frota, como também, que a rota seja seguida pelo motorista.

Saber a localização exata de cada elemento da sua frota é uma vantagem, tanto para agir rapidamente caso algum imprevisto aconteça, como também, colabora positivamente com as autoridades na localização do veículo.

Essa ação gera benefícios e redução de custos. A apólice tende a ser mais onerosa quando os veículos da sua frota possuem rastreamento de carga.

 

DICA #3  – SUA CORRETORA OPTOU POR COBERTURAS QUE FAZEM SENTIDO PARA O SEU NEGÓCIO?

Optar por coberturas que fazem sentido para o seu negócio também é uma forma de economizar. Por padrão, as seguradoras oferecem um plano básico e todo adicional poderá ser cobrado.

Entender as necessidades do seu negócio eliminando as opções oferecidas no contrato que não fazem sentido a sua estratégia de mercado, ajuda a reduzir os custos.

São inúmeras as opções, por exemplo, existem apólices que trazem cobertura contra erupções vulcânicas e terremoto. Se sua empresa não possui rota para regiões onde ocorrem esses fenômenos naturais, não há motivos para contratar esse tipo de serviço.

Dessa forma, opte por negociar o que melhor convêm a sua estratégia de negócios. Garantindo que sua carga estará segura, sem pagar por excessos.

 

DICA #4 –  DDR OU SEGURO DE ROUBO, O QUE É MAIS BARATO?

A carta de Dispensa do Direito de Regresso (DDR) é um documento emitido pela seguradora do embarcador que isenta o transportador contratado de ressarcir e/ou reembolsar o sinistro ocorrido durante o transporte.

A questão é que a carta de DDR possui uma série de exigências do Gerenciamento de Riscos que precisam ser cumpridas tal como descrito na apólice de Transporte Nacional, contratada pelo dono da mercadoria.

Tais exigências por sua vez, custam mais caro que o próprio seguro de roubo que o transportador contratou.

 

DICA #5 – ATENÇÃO AOS VALORES COBERTOS PELA APÓLICE!

O que muitos não sabem, é que o valor da carga que você transporta, influencia e MUITO no valor do seguro.

Digamos, por exemplo, que você têm um valor médio de carga de R$100 mil, mas que eventualmente transporta carga de até R$ 500 mil.

Se porventura o corretor fechar a apólice tendo como base o valor de R$ 500 mil, não aceite. Isso aumentará o valor do prêmio.

Tenha como referência o valor da carga que normalmente você transporta. Seguindo exemplo dado, o ideal é fazer o seguro no valor de R$ 100 mil.

Quando houver cargas com valores superiores ao contratado, informe o seu corretor e acerte a diferença.

 

DICA #6 – CUIDE O VALOR PAGO NA FRANQUIA

Atenção especial aqui! Eu sei que você contrata o seguro da carga evitando o uso da franquia, mas lembre-se ela tem um papel importante, e é preferível prevenir do remediar.

A franquia entra em ação quando a seguradora não é obrigada a custear o valor integral que a empresa deverá pagar.

Por isso, estar em alerta dos valores cobrados pela franquia é importante. As vezes é válido pagar um valor menor pelo prêmio, do que desembolsar mais do que o previsto num sinistro.

 

DICA #7 – USE A TECNOLOGIA A SEU FAVOR!

Elaborar uma estratégia clara para a contratação do seguro e manter a sua apólice atualizada é fundamental para evitar gastos desnecessários.

Mas você já considerou, em ter um sistema que gerencie sua carga? Sim, essa é uma opção que ajudará a lucrar!

Nós da Brudam, desenvolvemos sistemas para o mercado de transporte de cargas. Otimizando o processo de averbação, uma vez que ela é feita de forma automática por nosso software.

Se interessou por nosso sistema? Agende um call com nossos especialistas!