O serviço de transporte de pequenas cargas e fretes é aquele realizado por meio de veículos de pequeno porte, como motos, utilitários e pequenos caminhões.

Geralmente operando com transporte de cargas fracionadas, esse tipo de serviço pode ser utilizado para o transporte de mercadorias dos mais diversos tipos, sejam elas perecíveis ou de grande valor agregado.

Saber o que é preciso para começar no negócio de transportes é imprescindível para obter sucesso. Neste post iremos descrever tudo o que você precisa saber para iniciar seu próprio negócio.

Gostou? Então continue com a leitura e confira agora mesmo! 😉

 

VISÃO GERAL

 

MERCADO

De acordo com dados de 2010 do Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Carga (RNTRC) da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), existem no país perto de 161 mil empresas, entre carga própria (cerca de 80% delas) e empresas de transporte (cerca de 20%), além de mais de 823 mil transportadores autônomos, totalizando 1,9 milhão de veículos.

LOCALIZAÇÃO

A definição da localização ideal para a instalação de uma empresa do segmento de fretes e transporte de pequenas cargas é fundamental para o seu sucesso, muito em função dos impactos que uma decisão mal acertada pode exercer sobre os custos logísticos, ou seja, os custos relacionados ao transporte de produtos.

Portanto, antes de realizar essa escolha, as empresas devem identificar:

  • Seus clientes potenciais;
  • As principais rotas a serem percorridas;
  • O número de entregas a serem realizadas.

 

E finalmente, a partir de então, definir o local mais adequado para a sua sede.

 

EXIGÊNCIAS LEGAIS ESPECÍFICAS

OBTENÇÃO DO RNTRC

O empresário terá que fazer um requerimento junto ao Registro Nacional de Transportes Rodoviários para se registrar e só então poderá atuar nesse mercado.

Qualquer forma de abrir uma empresa deste porte sem a autorização deste órgão pode causar sérios problemas ao empreendedor.

O instrumento legal que institui o Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Carga – RNTRC é a Lei 11.442 e a Resolução Nº 3.336, de 08 de dezembro de 2009, da ANTT, que determina que o exercício da atividade de transporte rodoviário de carga, por conta de terceiros e mediante remuneração, depende de prévio registro do transportador no RNTRC, administrado pela ANTT.

Vale ressaltar que o exercício da atividade de transporte de carga própria independe de registro no RNTRC.

O Transporte de Carga Própria é identificado quando a Nota Fiscal dos produtos tem como emitente ou destinatário a empresa, entidade ou indivíduo proprietário ou arrendatário do veículo.

 

 

ESTRUTURA

O tamanho da estrutura física varia de empresa para empresa, é necessário considerar alguns aspectos que podem ser úteis para a operacionalização das atividades da transportadora de pequenas cargas.

Portanto, o empreendimento necessita de um escritório dotado de infraestrutura para a venda de seus serviços, equipados com telefone, computador e móveis adequados.

Deve possuir ainda local amplo e garagens para estacionar os veículos utilizados nos serviços de transporte com segurança, e ainda possuir espaço para higienização e manutenção preventiva e corretiva, quando esses serviços não forem terceirizados.

O local onde os veículos circulam deve ser planejado para que as pessoas e veículos possam transitar sem acidentes e livres de obstáculos. É necessário banheiros ou vestiários para uso dos funcionários.

 

PESSOAL

O quadro de pessoal irá variar de acordo com o tamanho do empreendimento e a capacidade de transporte de cargas.

Em uma microempresa deve-se contar com apoio para recepção de pedidos e coordenação das rotas de entrega, serviços de carga e descarga de produtos, motoristas profissionais devidamente habilitados e serviços de manutenção e serviços gerais.

 

EQUIPAMENTOS

Os principais equipamentos utilizados pelas empresas de pequenas cargas e fretes são os veículos para a realização do serviço de transporte.

Os equipamentos necessários para a montagem de uma empresa de transporte de pequeno porte são os seguintes: furgões e utilitários, que podem transportar cargas de até 1.000 quilos, caminhonetes e caminhões pequenos, que transportam de 1.000 a 4.000 quilos, carros, motos 125 cc. Materiais para escritório: Arquivo, Cadeira, Microcomputador com acesso à internet, Mesa, Telefone, Impressora.

Para que as empresas de fretes e transporte de pequenas cargas possam se manter competitivas e garantir agilidade no desempenho de suas tarefas de gestão e logística, torna-se importante também a adoção de algumas tecnologias de apoio.

Dentre elas, pode-se citar:

• GPS: Sistema de navegação que pode ser utilizado pelas empresas para racionalizar o processo de logística e oferecer segurança aos profissionais do transporte e suas cargas;

Sistemas de gerenciamento e manutenção de frota: Sistema que permite gerenciar a frota da empresa, facilitando o fluxo de informações e o diagnóstico de irregularidades;

• Sistema de redes em malha: São redes sem fio que podem ser utilizadas pelas empresas de transporte e pequenas cargas para facilitar a comunicação entre os profissionais e localizar as cargas;

• Pequenos guindastes e sistemas de elevação de mercadorias para carregamento dos veículos.

 

 

INVESTIMENTOS

Para iniciar um negócio de transporte de pequenas cargas, o empreendedor precisa necessariamente quantificar todos os valores que serão gastos para montar a empresa.

O montante de capital inicial necessário para aquisição da frota é relativamente alto, por isso, o cálculo de investimento deve ser feito em função do tipo de mercadoria a ser transportada e o volume de carga.

Por mais detalhado que seja o cálculo dos gastos que farão parte do investimento inicial, sempre existirão gastos imprevistos, como, por exemplo, quebra do veículo ou acidente provocado pela má conservação das estradas.

Nesse sentido, é imprescindível ter uma reserva de caixa disponível para essas situações inesperadas.

 

CUSTOS

O transporte de pequenas cargas é uma atividade que possui custos significativos de operação. Em razão disso, o empreendedor deve buscar, constantemente, reduzi-los a fim de melhorar a eficácia do desempenho de suas atividades.

Dentre as variáveis relativas aos custos do transporte de pequenas cargas, pode-se citar: Aluguel da sede, Assessoria contábil, Seguro do veículo, IPVA, licenciamento e seguro obrigatório, Amortização dos utilitários e motos, Depreciação,  Motoristas,  2 Carregadores,  Despesas administrativas, Manutenção,  luz, telefone, água e internet, Combustível e manutenção dos veículos, outras despesas mensais com insumos.

Os custos fixos são aqueles que, para efeito de cálculo, não dependem do deslocamento do veículo.

Já os custos variáveis são calculados em função da quilometragem realizada pelo veículo durante a realização do serviço.

Somente de posse do cálculo detalhado dos custos relacionados às atividades da empresa é que se pode propor uma política que vise o planejamento e a redução dos mesmos.

 

 

DIVERSIFICAÇÃO/AGREGAÇÃO DE VALOR

Os empresários devem ter em mente que fatores como agilidade, rapidez e pontualidade são condições mínimas para que uma empresa permaneça no mercado.

O diferencial a ser oferecido e que irá agregar valor ao negócio é fator determinante na preferência do cliente, chegando ao ponto do consumidor estar disposto a pagar mais pelo serviço, em relação a outras empresas.

Estes diferenciais dependem da relação entre os negócios e podem estar fundamentados em ofertas de serviço distintas da maioria dos concorrentes.

 

Fonte: http://www.sebrae.com.br